Base para a discussão

Na terapia endodôntica, há um consenso geral de que a fase de preparo e modelagem do canal radicular é de fundamental importância para o sucesso do tratamento, exigindo do profissional uma gama de conhecimentos teóricos elementares.

Odontometria é o termo amplamente consagrado pelo uso. Com base na etimologia da palavra, refere-se à medida do comprimento do dente. Entretanto, esse conceito deve ser mais especifico, por tratar de determinação precisa do limite do canal dentinário, ao qual devem ser aplicadas as manobras do tratamento endodôntico, particularizando essa etapa como uma das bases de sustentação do sucesso da terapia do canal radicular. As denominação de Comprimento de Trabalho (CRT), Odontometria, Condutometria, ou mesmo Comprimento de Trabalho (CT) são as mais usadas

A delimitação incorreta desse campo pode conduzir a um pós-operatório sintomático, a perfuração apical e a sobre obturação. Neste particular, induz-se reação inflamatória na regia perirradicular, prejudicando o processo de reparo.

Os requisitos de um método para estabelecer o comprimento do dente deve ser:

  1. Precisão;
  2. Fácil execução
  3. Rapidez
  4. Segurança nos resultados
  5. Facilidade de Confirmação

Alguns métodos exigem a memorização de fórmulas matemáticas ou o emprego de manobras que resultam em medidas imprecisas.

Em determinadas circunstâncias, necessário se faz a repetição de radiografias, pois a odontometria radiográfica em suas técnicas não atingiu ideal que permita apontar com precisão a junção cemento-dentinária, ou mesmo o forame apical;

Determinado o limite de trabalho, os tecidos perirradiculares estarão menos expostos às agressões químicas e mecânicas, com melhores chances de ocorrer o processo de reparo, culminando com o fechamento fisiológico do forame apical.

Alem da junção cemento-dentinária, podem ser observadas mudanças nas características histológicas do tecido pulpar.

A zona de maior constrição apical, limite CDC, não é um sitio estável, apresentando varias formas anatômicas, e sua posição em relação ao ápice dentário é também imprecisa, peculiar a cada canal.

Outro aspecto a ser considerado é o caráter dinâmico da odontometria. Á medida que o canal radicular vai sendo preparado, a sua porção curva vai sendo retificada, o que ocasiona uma diminuição do comprimento do canal dentinário.

Técnicas Odontométricas

A sugestão mais simples para a realização da odontometria sem o auxilio da radiografia ou de qualquer outro artefato que não o instrumento endodôntico esta representada pelo método sinestésico, que procura localizar a zona de maior constrição apical do canal radicular através da sensação tátil-digital. O emprego dessa técnica pode ser de grande utilidade como auxiliar de outros métodos. isoladamente considera-se sua aplicação inconsistente.

Dois métodos odontométricos: um radiográfico, para o qual preparou seis alargadores de comprimentos fixos, com sulcos de identificação nos respectivos cabos. O método elétrico

Alguns dos fatores limitantes da imagem radiográfica

  1. Á falta de coincidência do forame apical;
  2. a considerável variação da distancia entre essas entidades anatômicas;
  3. Á curvatura da porção apical voltada em grande parte dos casos para a região vestibular ou lingual;

Limite Apical de Odontometria

A junção cemento-dentinária é o sitio ideal para o termino do preparo e obturação do canal radicular. O limite preciso de remoção da polpa vital é de fundamental importância, pois o tecido dessa região contem poucas células e é rico em fibrosa colágenas, dando uma característica mais fibrosa à polpa apical.

Os limites proposto por alguns autores apresentam variação entre 0,5 e 3 mm aquém do ápice radiográfico. Esses limites dependem do estado da polpa e das áreas reabsorvidas do ápice dentário.

Técnicas Radiográficas de Determinação de Comprimento do Canal Dentinário.

É fundamental atentar para um acesso adequado aos canais radiculares antes de dar inicio ao procedimento de determinação do comprimento de trabalho.

Sequencia

  1. Medir o Dente na radiografia de estudo;
  2. Para compensar a distorção, comum nas radiografias, subtrair 2 ou 3 mm da medida obtida anteriormente;
  3. Transferir a medida alcançada para uma lima com um cursos perpendicular à mesma e firmemente ajustada;
  4. Introduzir a lima no canal radicular, encostando o curso no bordo de referencia oclusal;
  5. De posse da radiografia e com o auxilio de um régua milimetrada, medir o espaço entre a ponta da lima e o ápice radiográfico;
  6. Ajustar o cursor ao comprimento determinado, de preferencia preencher com cursores todo o espaço da parte intermediaria ate o cabo do instrumento;
  7. Um fato que deve ser considerado é a odontometria nos canais com curvaturas;
  8. É Importante a anotação do referido comprimento na ficha do paciente;

Para os dentes com mais de um canal radicular, dispostos na direção de incidência do feixe de raio X, pode-se introduzir instrumentos com características diferentes em cada canal, utilizando-se da técnica de dissociação das raízes (regra de Clark), distalizando ou mesializando o cone do aparelho.

As limas utilizadas nas tomadas radiográficas de odontometria não deverão estar frouxas no interior do canal radicular, face a possibilidade de seu deslocamento para a oclusal ou para o ápice do dente.

O sinal de sangramento ou de sintomatologia persistente podem estar relacionados com a imprecisão da odontometria.

Método Eletrônico de Determinação do comprimento do canal dentinário (CCD)

Alguns cuidados são fundamentais para o bom desempenho do aparelho medidor de canal dentinário. O fluxo uniforme da corrente elétrica depende de um bom contato de todo o circuito. Para tanto, a alça labial e a presilha da lima devem estar adequadamente acopladas em sua posições

Um circuito elétrico se completa quando as cargas elétricas negativas chegam ao polo positivo, e , para que isso ocorra, o fluxo de cargas elétricas deve percorrer sempre o trajeto mais curto possível. Portanto, deve ser evitado o contato da lima com a saliva ou tecido oral.

Seleção da Lima

Antes de iniciar a mensuração eletrônica do canal radicular, a lima deve ser selecionada, de sorte que seu diâmetro seja compatível com o do forame apical radicular. Geralmente, recomendasse o emprego de uma lima K número 10. Pré-curvada, preparando-a à semelhança do procedimento de sondagem ou cateterismo do canal radicular; exceto nos dentes que apresentam o forame apical com um diâmetro em torno de 0,40 mm.

Indicações

  1. Nas situações rotineiras do tratamento endodôntico;
  2. Para detectar pontos de comunicação entre o nala radicular e o periodonto
  3. Para acompanhamento do comprimento de trabalho durante o processo de limpeza e modelagem dos canais

Contra-Indicações

  1. Em dentes com formação apical incompleta
  2. Em pacientes portadores de marcapasso cardíaco

Vantagens

  1. Dentre as propostas de aferição do comprimento de trabalho do canal radicular é oa unica que anuncia indicar com precisão a junção cemento-dentinário
  2. O tempo gasto
  3. Não sofre a interferência das estruturas anatômicas
  4. É de fácil manipulação e preciso quando corretamente operado
  5. Não apresenta riscos a saude do pessoal envolvido
  6. É bastante valioso para o emprego em associação com outros métodos
  7. Pode ser usado para dirimir duvidas de uma medica realizada por outro metodo

Referências Bibliográfica

Endodontia biologia e técnica; LOPES, Hélio Pereira; 1999; Editora MEDSE