Preparo do arco facial e garfo

O arco facial e o garfo são dispositivos utilizados para a montagem do modelo superior. Ao utilizar este conjunto, estamos referenciando a posição espacial que a maxila ocupa em relação à base do crânio. 

Inicialmente, o garfo deve ser preparado com godiva, sendo que 3 pontos são registrados. Com a godiva ainda na fase plástica, leve o garfo à boca do paciente, conferindo para que a haste do garfo coincida com a linha média. Para estabilizar o garfo, podemos pedir ao paciente para segurá-lo com as duas mãos; porém nesta situação, ficamos impossibilitados da sua ajuda durante o posicionamento das olivas. Quando a godiva esfriar, remova os excessos com o auxílio de um estilete, deixando presentes apenas as pontas das cúspides e bordas incisais.

Antes da montagem do arco, é necessário testar o assentamento passivo do modelo superior sobre o garfo, a fim de verificar se não ocorre a existência de básculas.

Leve novamente o garfo à boca do paciente e peça a ele para mantê-lo em posição. Posicione o arco facial e com a ajuda do paciente adapte as olivas no meatos acústicos externos fazendo suave pressão para dentro e para frente.

A seguir, posicione o indicador do násio e aperte os parafusos de fixação do indicador e do arco facial, seguindo pelos parafusos das engrenagens

Verifique a distância intercondilar assinalada na parte anterossuperior do arco facial. Os três números presentes (1, 2, 3) correspondem às medidas (Pequena, Média e grande). Depois, afrouxe os parafusos do indicador do násio e do arco facial, mantendo presas as engrenagens.

Montagem do modelo superior

O articulador deve ser ajustado de acordo com a distância obtida com o arco facial. Para tal, utilize os espaçadores presentes no ramo superior do articulador (sem espaçador: medida pequena; um espaçador: medida média; dois espaçadores: medida grande). De acordo com esta medida, faça o ajuste correspondente no côndilo presente no corpo do articulador.

A seguir, regule o guia condilar do articulador em 30º e os ângulos da cavidades glenoides direita e esquerda em 15º, enquanto o arco facial é encaixado no articulador com a ajuda das olivas.

Após posicionar o modelo superior sobre o registro no garfo, cheque seu assentamento correto e o espaço suficiente entre a base do modelo e a placa de montagem.

Montagem do modelo superior com a mesa de Camper

A mesa de camper deve ser parafusada no ramo inferior do articulador. Depois, posicione o modelo superior sobre a mesa, cuidando para que a linha média do modelo coincida com o pino incisal. Uma porção de gesso especial deve ser utilizada para unir o modelo superior à placa de montagem. Após a presa, complete o restante com gesso comum.

Contrução do desprogramador e registro da relação cêntrica

Jig de lucia e tiras de Long são os desprogramadores mais divulgados na literatura e utilizados em função de sua praticidade.

Para confeccionarmos um JIG, inicialmente o paciente deve estar deitado, e com sua cabeça confortavelmente posicionada sobre o encosto da cadeira. Antes de inciarmos as manobras clínicas, roletes de algodão devem ser colocados sobre os dentes anteriores com o objetivo de estimular uma desprogramação inicial.

Resina acrílica é manipulada em um pote Dappen. Na fase plástica, leve uma esfera de resina sobre os incisivos centrais superiores previamente lubrificados. A resina é conformada ocupando a metade da face vestibular e toda a face palatina destes dentes; Na face palatina, o desprogramador deve adquirir uma forma triangular para possibilitar que apenas um único contato ocorra na aresta formada. O JIG deve ser removido e recolocado inumeras vezes para evitar que se prenda aos dentes. Durante as remoções, ele deve ser levado em um recipiente contendo aguá fria para minimizar o calor residual da polimerização da resina.

O ajuste deve ser realizado com o auxílio de uma pinça Muller e fitas de contato com pequena espessura. O Ponto de contato deve ficar sempre na aresta do JIG, permitindo a aproximação entre a maxila e a mandíbula, porém, não deve existir contato dental. A mandíbula deve ser o desprogramador. 

Uma vez obtido o JIG, o registro da relação cêntrica é realizado com uma lâmina de cera 9. Recorte a lâmina em sua região anterior para permitir espaço para o desprogramador. Com a lâmina posicionada, a mandíbula deve ser manipulada até tocar o contato estabelecido no JIG. Com o registro em posição, remova todos os excessos laterais com o auxílio de uma espátula LeCron, até que permaneça apenas o registro entre os dentes.

O registro pode ser realizado com cera 9, refinado com pasta zincoenólica, confeccionado com muralhas de cera montadas em placas de resina acrilica ou silicone para registros. Independentemente do material de registros utilizado, o importante é que ele se apresente integro, e que nenhuma perfuração seja observada. Identificando pelas iniciais RC.

Montagem do modelo inferior

O registro da relação cêntrica é utilizado para a montagem do modelo inferior. O pino incisal do articulador deve ser posicionado na marca zero, principalmente nos casos onde uma dimensão vertical de oclusão proposta foi registrada simultaneamente à relação cêntrica. As regulagens são mantidas em medidas médias (inclinação da cavidade glenoide em 30º e os ângulos de Bennett direito e esquerdo em 15º). Com o articulador invertidos, posicione o registro sobre o modelo superior e coloque o modelo inferior sobre o registro. Esta articulação deve ser passiva para não deformar o registro. Prenda os modelos articulados pelo registro com borrachas ou palitos presos com cera pegajosa, godiva ou cola quente.

A área correspondente às cavilhas deve ser isolada. Uma pequena quantidade de gesso especial é utilizada para a união do modelo inferior à placa de montagem. Quando o gesso tomar presa preenche-se o restante da área com gesso comum.


Referências Bibliográfica

Próteses Odontológicas: Uma visão Contemporânea; A. M. V. Claúdia, 1ª Ed. São Paulo: Santos 2013