Emergências Médicas

Hiperventilação

É um quadro comum, ligado à ansiedade. O paciente passa a respirar superficialmente, porém rápido, fazendo uma diminuição de taxa de CO2 no sangue, oxigenando mal os tecidos e apresentando tontura. É importante que o médico ou dentista esteja sempre monitorando o seu paciente. Portanto, ao perceber ritmo ventilatório acima do normal (12 a 20)


Crise Asmática

A asma é uma doença responsiva a vários fatores das vias respiratórias, cursando com dispnéia, hipersecreção, brônquica, chiado (gatinho, pianço etc), tosse. A principal queixa do paciente é a sensação de falta de ar. Tratamento: Manter vias aéreas permeáveis; Ministrar oxigênio 12 – 15 litros / minutos; Ministrar aminofilina EV lentamente (1 ml por minuto)


Gestantes

É comum a hipotensão postural da gravidez, ou seja, paciente em decúbito dorsal, principalmente no terceiro trimestre, pela compressão da veia cava inferior pelo útero. Nesses casos basta colocá-la em decúbito esquerdo que a pressão arterial se recompõe. Aliás, é recomendável sempre atender a paciente gestante, levemente virada para a esquerda.


Crise Hipotensivas

Existem pacientes que, com ou sem motivo aparente desenvolvem uma hipotensão, cursando com tontura, palidez, podendo ainda ter náusea e vômito. A principal repercussão da hipotensão é a diminuição de perfusão cerebral, portanto, a conduta é: Manter vias aéreas permeáveis; Verificar a P.A; Colocar o paciente em decúbito dorsal; Ministrar oxigênio 12 a 15 litros


Choque Anafiláticos

Estado do choque provocado por uma reação anafilática. Quadro Clínico: Inicio abrupto, com sintomas que variam de brandos à graves. No sistema respiratório Rouquidão, tosse, dificuldade, para falar, dificuldade respiratória, asma e parada cardíaca por obstrução da via aérea (edema de glote) No Sistema circulatório Hipotensão profunda, taquicardia, colapso vascular com choque. Na pele e


Taquicardia Paroxística

Taquicardia paroxística é um quadro de aumento significativo de freqüência cardíaca, atingindo números até acima de 180 batimentos por minutos, sem que o indivíduo tenha feito qualquer esforço físico e sim por estimulação do simpático. Os rápidos batimentos fazem com que a circulação se faça muito rápida, oxigenando insuficientemente e irrigando mal os tecidos. Desta


Angina Pectoris

Paciente anginoso é aquele que, na maioria absoluta das vezes, possui doença coronariana e quando se submete a esforços físicos ou emoção stress ou outras situações emocionais adrenérgicas, apresenta a dor anginosa que, alivia ao tomar sua medicação sublingual ou entrar em repouso. Este tipo de paciente é chamado de anginoso estável. Quadro Clínico Dor


Infarto Agudo do Miocárdio

Em ambas as situações e inclusiva na anterior, está ocorrendo um déficit entre a oferta e demanda de oxigênio pela célula cardíaca. O músculo cardíaco em anóxia, passa a sofrer injúria e a célula morre, caracterizando o IAM. 50% das pessoas que sofrem infarto, morrem na primeira hora ou nas primeiras quatro horas pela falta


Crise Hipertensiva

Situação em que os níveis pressóricos encontram-se elevados e o paciente apresenta ou não sintomas de encefalopatia hipertensiva. Considera-se hipertensão quando os níveis estão acima de 85 na pressão arterial diastólica e acima de 120 na pressão arterial sistólica. Acima destes níveis o paciente pode apresentar o quadro sintomático da crise hipertensiva. Níveis acima de


Choque Insulínico

Situação em que há uma diminuição abrupta de rápida glicemia em pacientes diabéticos insulino dependentes. Quadro Clínico Pulso rápido e fino; Respiração normal; Pele fria, pálida e sudorética; Confuso ou inconsciente; Instalação rápida do quadro; Histórico de diabetes e uso de insulina; Tratamento Decúbito dorsal; Manter a via aérea permeável; Lateralizar em caso de vômito;


Hipoglicemia

Situação clínica onde os níveis de glicose no sangue ficam abaixo de 40mg %. Quando Clínico Tontura ou inconsciência; Pele fria, pálida e sudorética; Tremores ou abalos musculares; Náuseas e/ ou vômitos; História de jejum prolongado ou uso de insulina; Tratamento Manter o paciente em posição confortável ou decúbito dorsal; Manter permeabilidade das vias aéreas;


Crise Convulsiva

Apesar de dramática, é uma das situações mais fácies de serem abordadas e tratadas no ambiente pré-hospitalar. A crise mais comum é a tônico clônica, ou seja perda de consciência com abalos musculares. Quadro Clínico: Inconsciência Abalos musculares Secreção oral (espumosa) Tratamento Lateralizar o paciente Proteger a cabeça contra choques no solo Manter vias aéreas


Tontura e Desmaios

Com exceção da crise convulsiva e do AVC, as tonturas e desmaios se fazem pela diminuição temporária e reversível da perfusão encefálica, portanto, pela hipóxia cerebral. Quedas da pressão arterial por várias causas, mudanças posturais bruscas ou ação de medicamentos e do sistema nervoso autônomo podem levar o paciente até a inconsciência. Quadro Clínico: (Mais


Obstrução das vias aéreas por corpo estranho

A maior causa de parada respiratória é a obstrução da via aérea. Dentre as obstruções da via aérea, a causa mais comum é a presença de corpo estranho. O corpo estranho mais comum é a língua, por isso as técnicas de permeabilidade máxima da via aérea, visam exclusivamente tirar a língua daquele local. Entretanto, outros


Parada Respiratória

As paradas, tanto respiratória como cardíaca, são emergências gravíssimas que requer do profissional uma ação imediata, segura e eficaz, caso contrário, em pouquíssimo tempo o paciente será levado à lesões cerebrais irreversíveis e inevitavelmente, à morte. LEMBRAR QUE EM PARADA RESPIRATÓRIA O PACIENTE ESTARÁ INCONSCIENTE. Protocolo: Verificar consciência Acionar sistema de emergência Permeabilidade máxima das


Abordagem do paciente

Para cada situação de dificuldade que esteja observando em seu paciente ou que ele esteja se queixando, proceda da seguinte forma: a) Paciente Consciente: Interrompa o que está fazendo; Questione o que está ocorrendo, batendo com as mãos nos dois ombros; Verificando a disposição de resposta do paciente, Pergunte: S – O que está sentindo?