O cementoblastoma é um neoplasma odontogênico de cementoblastos.

CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS  E RADIOGRÁFICAS

Os cementoblastomas são neoplasmas raros, representando menos de 1% de todos os tumores odontogênicos. Mais de 75% surgem na mandíbula, com 90% surgindo na região de molares e pré-molares. Quase 50% envolvem o primeiro molar permanente. Não há predileção significativa por gênero. Dor e aumento de volume. Observado sinais de comportamento agressivo local, incluindo expansão óssea, erosão cortical, deslocamento de dentes adjacentes, envolvimento de múltiplos dentes adjacentes, envolvimento do seio maxilar e infiltração na cavidade pulpar e canais radiculares. 

Radiograficamente, o tumor aparece como um aumento de volume radiopaco que está fundido a um ou mais dentes e é circundado por um fino halo radiolúcido.

O contorno da raiz ou das raízes do dente envolvido está geralmente obscurecido como resultado da reabsorção radicular e fusão do tumor com o dente.

 

 

CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS

Lembra bastante a do osteoblastoma, sendo que a principal característica cementoblastoma3de distinção é a fusão do tumor com o dente envolvido. A maioria das zonas da lesão consiste em lençóis e trabéculas espessas de material mineralizado com lacunas posicionadas irregularmente e linhas reversas basofílicas proeminentes. Tecido fibrovascular celularizado está presente entre as trabéculas mineralizadas. Presentes células gigantes multinucleadas e células blásticas margeando as trabéculas mineralizadas. A periferia da lesão, correspondente à zona radiolúcida vista na radiografia, é composta de matriz não-calcificada, que frequentemente está arranjada em colunas radiais. Em poucos casos, as lesões podem se infiltrar na câmara pulpar e nos canais radiculares dos dentes envolvidos.

TRATAMENTO E PROGNÓSTICO

O tratamento de um cementoblastoma geralmente consiste na extração cirúrgica dos dentes juntamente com o aumento de volume calcificado. A excisão cirúrgica do aumento de volume com amputação da raiz e o tratamento endodôntico do dente envolvido podem ser considerados. Taxa de recidiva de 22%.


Referências Bibliográfica

NEVILLE, B.W.;ALLEN,C.M.; DAMM,D.D.;et al. Patologia: Oral & Maxilofacial. 3ª Rio de Janeiro: Saunders Elservier